III Coletiva do Espírito Santo

  
A III Coletiva do Espírito Santo aconteceu no período de 5 a 13 de março de 2011.

Cuida , para que não te pegue a doença de ser andarilho, é difícil conviver com ela quando a vida fora das trilhas, ainda nos solicita muito, mas ... se ela te pegar, tente se proteger para não ser acometido também do "afeto pelo grupo", este sim é coisa séria, deixa por vezes o olhar perdido, as mãos vazias, o pensamento viaja, embora tenha de bom que, involuntariamente, vem um sorriso nos lábios, e no coração, uma estranha sensação de estar aconchegado no mundo. (Izildinha e Waldeir - julho/2010)

Filminho da Suzana: III Coletiva do Espírito Santo - Clique aqui >>> 

Videos de José Carlos: 

Veja as fotos:

Veja os vídeos:

Estava aguardando a "poeira baixar" para falar deste grupo da III Coletiva. Como nesses dias não se encontrava poeira nem debaixo dos tapetes, creio, que não tem nada para aguardar. Vamos aos fatos...

Quero, primeiramente, de coração, agradecer aos participantes (Os Cascudos) da III Coletiva do Espírito Santo que, com sua generosidade, solidariedade e o espírito guerreiro, conseguiram chegar à Cachoeira de Tombos depois de nove dias de sonhos, suor e barro.

Um caminho não é apenas uma linha sinuosa ligando vários pontos. Um caminho é a união de sonhos distintos a propósitos semelhantes, a superação das fraquezas e o fortalecimento das virtudes, a energia de quem acolhe e daquele que passa. É a oportunidade de agradecer ao Criador pela beleza da vida. E, todos, sem distinção, assim como nos grupos anteriores, deixaram sua marca na construção desta rota. O caminho é assim, um manancial onde todos carregam e recarregam para atingir objetivo de compreender a gratidão. A magia dos vales encantados para alcançar as montanhas sagradas.

O Caminho também é feito de dores, de lágrimas, sorrisos, flores no cabelo, dipirona, fumaça, unhas pintadas, debutantes, veteranos, almas lavadas, bolhas, roncos e trovões. Um caminho é feito com o coração.


Beijos, abraços e paz em nosso caminho,
Paulo Basstos




Comments